Mana Bernardes alumbra caminhos.

E o meu encontro com Mana, se fez assim, para além da translucidez.

 

Nada simples, ela habita onde há inquietudes. De alma infinita.

A Nuz veste ela, que reveste seu entorno em poesia. Poesia em movimento...

Sonhamos prolongamentos vívidos e de dentro pra fora seguimos. Nosso processo livre, é profundo.

 

Juntas brincamos e celebramos nosso encontro trazendo uma pequena coleção cápsula.

São peças muito especiais, em uma edição limitada.